Descubra sua cidade em uma magrela
Passear a noite de bicicleta é uma boa opção para praticar esporte se divertindo - por Georgia Nicolau para o site bomdehumor.com.br
22 de Maio de 2009.

Noite de terça-feira de outono em São Paulo, em um bairro da zona sul pontinhos rosas fosforescentes concentram-se em frente a uma doceria. Mulheres, jovens na faixa dos 35, 40, 50, 60 anos, cheias de energia e vitalidade conversam enquanto aguardam a chegada de todos. Pouco tempo depois das 21hs começam a se mobilizar para buscarem suas bicicletas no estacionamento ao lado. Uma delas, marinheira de primeira viagem, veio acompanhada pelo marido e o filho pequeno. É o rebento quem checa se o capacete está funcionando enquanto o marido liga a luzinha colocada atrás do veículo. Mas eles ficam, enquanto ela se junta as ciclistas do Saia na Noite.

Um breve olhar e já se percebe a diferença para outros grupos de pedalada noturna , onde a maioria é de homens: buzinas d e abelhas, flores penduradas, pisca-piscas no cabelo, saia, sandalinha. Passeando entre o grupo de cerca de 20 bicicletas ouvia-se pedaços de conversas: uma comenta sobre o novo site de relacionamentos que se inscreveu e onde é possível paquerar anonimamente. A outra conta da venda do carro, histórias da filha, do marido, do bar, da viagem, do trabalho. Não só as pernas trabalham no passeio do grupo, mas também a língua e principalmente a mandíbula, de tanto sorrir.

Fundado pela ciclista Teresa D’ Aprile, de 60 anos, em 1992, o grupo é uma das muitas opções de pedalada noturna na cidade de São Paulo, com o diferencial de ser dedicado apenas a mulheres. É perfeito para quem sempre quis mas nunca teve coragem por achar que os outros grupos iam rápido ou longe demais. As meninas saem do Itaim toda terça-feira e andam cerca de 25 quilômetros numa média de duas horas. Além do passeio semanal, realizam eventos especiais no dia das mulheres e um domingo por mês fazem um passeio que dura o dia inteiro. São avós, mães, donas-de-casa, workaholics, desquitadas, juntadas, separadas, casadas que saem para passear, se divertir e fazer novas amizades. A descontração é tanta que o cansaço é menor ao fim do passeio, porque ao longo do trajeto o stress diário foi ficando nas esquinas, sumindo com o cheiro de jasmim, os barulhos e os novos lugares da cidade sendo explorada sob duas rodas.

São tantas as vantagens que cabe até perguntar porque todo mundo não faz igual. As pedaladas em grupo não poluem, não pioram o transito, exercitam, queimam as gordurinhas, aliviam a tensão e são ótimos lugares para se fazer um social, conhecer novos amigos e circular por lugares diferentes. Tudo que você precisa é de uma boa bicicleta e do equipamento de segurança: um capacete e luzinhas para chamar atenção dos carros. Em alguns grupos é exigido também a compra da camiseta.
E você ainda precisa ter duvida entre casar ou comprar uma bicicleta? Busque grupos na sua cidade e, se não encontrar, funde o seu!